outubro 23, 2011

Flores secas do cerrado


As flores secas do cerrado aquecem de cores a calçada ao lado da Catedral, brotam em arranjos e inspiram designers de joias, estilistas, artesãos, artistas plásticos, fotógrafos, músicos e poetas.
A arquitetura de flores do cerrado tira a matéria-prima dos campos limpos (ou sujos) que contornam a Capital. São usados especialmente folhas e sementes na composição das peças. Os artesãos das flores secas já estão acostumados a ouvir acusações de que causam prejuízos ao cerrado, mas asseguram que prejuízo mesmo é causado pela plantação extensiva da soja e o alastramentos dos condomínios em áreas rurais...


"Há pessoas que falam menos que um papagaio, mas em Brasília até as paredes emitem estalos suspeitos. Silêncio, mesmo, só na lonjura, no cerrado original. Na parede do quarto do hotel observo um origami com dobras geométricas. Da janela posso ver árvores desfolhadas com galhos retorcidos, o gramado marrom, o horizonte queimado pela seca de setembro. No centro da paisagem calcinada, a praça dos Três Poderes... Dizem que a nova Biblioteca de Brasília foi inaugurada sem livros. Será uma metáfora da cabeça de tantos políticos? Ou do tempo em que vivemos?   ....."  
Trecho  de Flores Secas do Cerrado de   Milton Hatoum 

Um comentário:

Ana Cláudia Magalhães disse...

Amei o texto...adoro essa cor de Brasília, de folha seca, de terra vermelha. Tudo emoldurado por um céu tão azul quanto lindo.