outubro 12, 2009

Drama no brejo

"Aqui-del-rei! Uma legítima brasileirinha, cidadã da mata atlântica e com tanto direito à vida quanto eu e você, pede socorro. Na verdade, com muito mais direito, porque não estamos em risco de extinção. E ela está.
Trata-se da Physalaemus soaresi, uma perereca de 2 cm de comprimento, que ninguém encontrará neste planeta exceto na Floresta Nacional Mario Xavier, em Seropédica (RJ), entre a rodovia Presidente Dutra e a antiga Rio-São Paulo. De repente, os últimos indivíduos da espécie se viram bem no caminho dos tratores, escavadeiras e caminhões escalados pelo PAC para construir o Arco Metropolitano, a superobra do Estado do Rio.
Não que as pererecas tenham se colocado ali. Os monstros a motor é que se meteram pelo seu santuário e se espantaram ao saber que havia vida sob seus pneus, rolos e lagartas. Neste momento, graças à administração da floresta, a P. soaresi goza de relativa proteção, porque está em período de reprodução -o chamado "canto nupcial"-, que vai até fevereiro. Mas e depois?
O Ministério do Meio Ambiente propõe manter o habitat da perereca isolado do canteiro de obras com placas de ferro. Mas alguns biólogos já advertiram que o barulho dos tratores não deixará ninguém sossegado no brejo. E por que o Arco precisa passar exatamente no meio da floresta, que tem 4,9 milhões de metros quadrados?
A vida de uma perereca vale pouco no Brasil. Há tempos, só a dedicação de uma bióloga ajudou a salvar o sapinho Melanophryniscus moreirae no Parque Nacional do Itatiaia. Hoje, chamado de "Flamenguinho" (por suas cores vermelha e preta), ele se tornou o símbolo do parque.
Neste momento, para alguns, a "soaresi" é apenas um estorvo ao "progresso". Amanhã, pode ajudar a desentupir as artérias de quem já pensou assim."


RUY CASTRO

Nenhum comentário: